400 milhoes de Android ainda ficam expostos a malwares

Hexamob | Alberto Mulas - 04/21/2016

Google melhorou muito a segurança do Android, mas ainda há centenas de milhões de dispositivos sem atualizações e expostos ao perigo de ataques cibernéticos. Google não pode fazer muito para resolver o problema, mas os produtores deveriam tentar lidar com ele.

O relatório sobre a segurança do Google em 2016 informa que ainda há 400 milhões de dispositivos Android expostos a riscos de segurança. Estes são os modelos com versões mais antigas do software que não receberão mais atualizações, de modo que não podem ser melhorados e suas vulnerabilidades não podem ser resolvidas. O problema é ainda generalizado, mas a diminuir progressivamente. Propõe um problema que se tornou um clássico do mundo Android. Os fabricantes deixam de atualizar smartphones e tablets (na verdade, às vezes nem mesmo começar), deixando seus proprietários expostos a riscos mais ou menos graves. O contra-exemplo é dado pelo Google Nexus, que recebe atualizações por um longo tempo garantido.

Mas, mesmo com o topo da gama de outras marcas que atualizam muitas vezes vêm isto acontece por apenas alguns anos: por exemplo Marshmallow chegou recentemente ao Galaxy S5 eo Xperia Z2 -o último, na verdade, foi uma relativa surpresa. No entanto, com os produtos mais baratos, até mesmo os melhores vendedores, não há garantias.

400 milhoes de Android ainda ficam expostos a malwares 1

Em alguns casos, as atualizações chegam (veja Moto E e Moto G por exemplo), mas muitas vezes o smartphone permanece exatamente como era o dia de compra -incluindo problemas de segurança. Para resolver sem alterar smartphones você pode tentar um antivírus para o Android, ou instalar uma ROM alternativa como o famoso Cyanogen -se disponível para o modelo. E, claro, você não deve instalar aplicativos de fontes diferentes a Google Play.

O relatório do Google também nos diz que a empresa examina 6 bilhões de aplicativos (instalados), todos os dias em 400 milhões de dispositivos. A empresa continua a trabalhar para fazer do Google Play un lugar seguro -impedindo que alguém usar para espalhar malware, e durante o último ano esta actividade específica tem alcançado muitos sucessos. Adrian Ludwig (de Google) nos lembra que aqueles que baixar aplicativos do Google Play podem se considerar seguros, pelo menos tanto quanto o malware é apenas em aplicações maliciosas. Ataques que exploram vulnerabilidades conhecidas e não corrigidas, talvez através de navegador, em vez disso são possíveis se o smartphone não recebe as atualizações necessárias.

400 milhões de Android ainda ficam expostos a malwares